Menu

A nova geração da ATP

ATP Next Generation

Por Aline Brunello, de Milão.

Andrey Rublev, Denis Shapovalov, Borna Coric, Karen Khachanov, Daniil Medvedev, Hyeon Chung, Jared Donaldson e Gianluigi Quinzi. Jovens promessas do tennis que se destacaram em 2017 disputaram, nessa semana em Milão, o primeiro torneio 'ATP Finals Next Generation'.
 
Do dia 7 ao dia 11 de novembro, o centro de convenções e eventos 'Fiera Milano' se transformou em estádio e recebeu os sete jogadores de simples mais bem ranqueados de até 21 anos, sendo um deles, o italiano Gianluigi Quinzi, ganhador de Wild Card. O título ficou com o sul coreano Hyeon Chung que venceu, de virada, o russo Andrey Hublev.

O evento segue o mesmo formato padrão do ATP Finals de Londres, com 8 jogadores divididos em dois grupos de 4, mas, pensando nesse clima futurista com ares de renovação, a ATP surpreendeu e trouxe algumas novidades polêmicas.

Leia mais ...

10 dicas para curtir o melhor de Roland Garros

 rgQuadra Philippe Chatrier, no complexo de Roland Garros (Foto: Divulgação)

Foram dias intensos, de muito trabalho, mas também de muita diversão. Afinal, já diria aquele velho ditado: faça o que você ama e nunca precisará trabalhar na vida. Revi amigos antigos, fiz novos contatos e ganhei mais um pouco de experiência e aprendizado. Em resumo, a primeira cobertura do Tennis Report em Roland Garros foi inesquecível.

Não só por ser brasileira e estar na segunda casa do Guga. Mais que isso, quando passei pelo portão do complexo parisiense, completei o meu “Career Slam” depois de estar no Australian Open, em Wimbledon e no US Open, respectivamente. A experiência de viver de perto o dia dia dos “Big 4” (e aqui me refiro aos Slams) e de outros eventos menores da ATP Tour e da WTA, traz uma percepção e um olhar mais apurados pois só estando in loco para conhecer as peculiaridades de cada um.

E nada mais gostoso do que desbravar novos territórios, especialmente os do tênis, não é? Se for em Paris, então... melhor ainda! O charme do complexo de Roland Garros, a paixão dos franceses pelo esporte e a chuva que sempre insiste em cair na primavera parisiense já são, por si só, marcas registradas do segundo Grand Slam do ano. Mas, se está na capital francesa ou pretende ir para lá no próximo ano, confira 10 dicas imperdíveis que o Tennis Report preparou pra você!

Leia mais ...

14 dicas imperdíveis do que fazer no Miami Open

Miami-Open-EntranceMiami Open, o torneio mais frequentado por brasileiros, no Crandon Park Tennis Center

Por Aline Brunello

Sol, praia, compras, vida noturna e, claro, muito tênis. Tudo isso atrai os amantes do esporte do mundo inteiro ao Miami Open, torneio que reune as categorias Masters 1000 da ATP e WTA Premier, na quente, vibrante e ensolarada Florida. 

Mesmo para quem já visitou o torneio uma, duas, três vezes e principalmente para os que nunca estiveram lá, informações e dicas preciosas são sempre bem-vindas. Algumas só a organização e os profissionais que trabalham no evento têm acesso, ficando distantes aos olhos dos visitantes.

O Tennis Report já esteve na cobertura oficial do Miami Open em três edições (2013, 2014 e 2016) e conta um pouquinho do que fazer de legal por lá. Esse ano o torneio divulgou alguns números e dados interessantes sobre a sua história e a gente também compartilha tudo aqui com você. Olha só!

Leia mais ...

Força, Petra!

 petra billboardPainel de homenagens a Petra Kvitova no Indian Wells Tennis Garden

Por Aline Brunello

O primeiro Masters 1000 da temporada ganhou um cantinho pra lá de especial, nesta edição de 2017: um grande painel de homenagens à tcheca Petra Kvitova, após sua ausência no circuito profissional da WTA há três meses. Instalado em uma das alamedas do charmoso Indian Wells Tennis Garden, complexo que sedia o torneio na Califórnia, o banner está à disposição dos fãs e visitantes, que já começam a deixar mensagens carinhosas e recados especiais em apoio à tenista bicampeã de Wimbledon.

Petra foi esfaqueada em dezembro passado, quando tomava café da manhã em seu apartamento, após reagir a uma tentativa de assalto e sofreu lesões nos cinco dedos e em dois nervos da mão esquerda. invasor era procurado pelo polícia, fingiu ser um técnico da empresa de energia e disse que precisava conferir o leitor de eletricidade. O ladrão fugiu levando cerca de R$ 654.O susto foi grande e Kvitova deve ficar até seis meses afastada do circuito.

Se estiver em Indian Wells, aproveite para dar aquela forcinha a uma das mais talentosas tenistas da atualidade. Passe lá e deixe sua mensagem também! Veja abaixo alguns recadinhos que os fãs estão deixando para ela por lá. Get well soon, Petra! 

Leia mais ...

Na Li e Nike: das quadras para a moda

  • Publicado em Moda

20140730170804 52644Na Li em frente a um dos prédios que leva seu nome na sede da Nike em Shanghai

Por Aline Brunello e Ariana Brunello

“Eu sempre fui teimosa e desobediente, nunca segui as regras. Felizmente, essa natureza agora é apreciada”. A recente declaração de Na Li não parece condizente com aquela jogadora centrada e tranquila que chegou a dominar as quadras com seu jogo consistente, sua maturidade exemplar e seu talento natural para o esporte. Por outro lado, sua personalidade tão conhecida pelo público aliada à atitude questionadora e intuitiva revelada pela ex-número 2 do mundo, continua rendendo bons frutos fora das quadras.

Entre suas maiores conquistas profissionais estão 503 vitórias, três participações em Olimpíadas (2000, 2008 e 2012), nove títulos de simples e dois em Grand Slams (Roland Garros 2011 e Australian Open 2014) e chegou a disputar doze finais de torneios. Em quinze anos de carreira, Na Li acumulou mais de US$ 16 milhões em premiação e faturava, em média, 23,5 milhões de dólares por ano, chegando a figurar como a segunda atleta mais bem paga do mundo. A chinesa foi referência entre suas companheiras da WTA, uma das tenistas mais queridas do circuito na época e se tornou um orgulho para seu país, por ser a única jogadora da China a conquistar tais feitos no tênis.

O sucesso também se estendeu à vida pessoal. Na Li hoje é mãe de Alisa e Sapajou, frutos de seu bem sucedido casamento com Jiang Shan há 11 anos, que também foi seu treinador durante um período na carreira e continuou em sua equipe até a chinesa anunciar a aposentadoria em 2014, quando Li afirmou que se afastar do esporte foi a decisão certa para ela e sua família. Mas a lesão crônica no joelho direito que a retirou das quadras, não a afastou do tênis. Três anos após abandonar a faixa preta analgésica que completava seu look nas partidas, Na Li lança uma coleção cápsula exclusiva em parceria com a Nike, sua patrocinadora há mais de vinte anos.

Leia mais ...

O Grande Gui

Brasil Open - VilasExposição sobre a carreira de Guillermo Vilas no Brasil Open 2017 (Imagem: Divulgação)

De uma partida exibição disputada no Obras Sanitarias Club, em 1974, na bela Buenos Aires, para as quadras de tênis mundo afora. Ali surgia uma das jogadas mais incríveis, curiosas, fascinantes e desafiadoras da história do esporte: quando o tenista corre para o fundo da quadra e, de costas para o adversário, rebate a bola entre as pernas.

Um ano depois, em uma partida oficial em Indianápolis, nos Estados Unidos, entre Guillermo Vilas e Manuel Orantes, o “Gran Willy” entrava de vez para a história do esporte.  A inspiração de Vilas veio de uma propaganda em que um jogador de polo - outro esporte com muita tradição entre os argentinos – acertava a bola para trás, entre as patas traseiras do seu cavalo.

Em homenagem ao maior tenista argentino de todos os tempos, o Brasil Open 2017 apresenta a exposição “O Aventureiro”, que retrata os momentos mais marcantes da carreira de Vilas, considerado um dos melhores da história e inventor do Gran Willy. As obras criadas pelo artista argentino Carlos Crispo estão à mostra para o público no Hospitality Center, ao lado da Quadra Central do Esporte Clube Pinheiros. Se estiver em São Paulo, corre pra lá. Vale a pena conferir!

Leia mais ...

Andrés Bella: das quadras para as galerias de arte

 AB Hearts"Heart at Work" feita com pedaços de raquetes e tinta spray em moldura de madeira: 1,94m x 1,55m de puro amor pelo esporte e pela arte

Ele descobriu o tênis nas quadras públicas do bairro de Queens, Nova York. Lá, começou a desenvolver a competitividade no esporte e também a criatividade para a arte, influenciado por metrôs e edifícios cobertos por grafite. O talento natural para o esporte fez com que se tornasse o capitão da equipe de tênis da primeira divisão da Universidade Quinnipiac. Disputou uma partida com James Blake - ex-número 4 do ranking da ATP - ainda na escola e até instalou persianas no apartamento de John McEnroe, um dos maiores jogadores da história.

Mas, o grande legado de Andrés Bella não está dentro da quadra ou ao lado de grandes nomes do esporte. A técnica, a tática, a criatividade e o talento deste apaixonado por tênis, exprimem-se através da arte. Bolinhas, raquetes, cordas, overgrips e grommets saem das quadras diretamente para suas obras, feitas exclusivamente com estes materiais usados para a prática da modalidade. O objetivo é olhar o passado para compreender o presente e influenciar o futuro, desconstruindo os aspectos da competição humana para expor os elementos de nossa existência.

Andrés Bella já expôs suas obras em locais como Dorian Grey Gallery, Sunday’s Auction House, Artworks ADL, Town Tennis Club, Vanderbilt Tennis Club, Midtown Tennis Club, em Nova York, no Milford Indoor Tennis Club, em Milford, Connecticut, na The Froelich Gallery, em Nashville, Tennesse, e no Citi Open (ATP 500 de Washington D.C.). Mas não é preciso ir até os Estados Unidos para conhecer este belo trabalho. O Tennis Report mostra, com exclusividade pra você, os incríveis retratos que reproduzem grandes nomes do esporte, as belíssimas telas em tinta, as obras de arte, o ateliê e a história de sucesso deste artista tão apaixonado por tênis quanto a gente. Confira!

Leia mais ...

A nova Tory Sport

  • Publicado em Moda

 tory Flatiron    E 1.1.0.0Tory Burch inaugura primeira loja Tory Sport, em Nova York

Em tempos de outfits cada vez mais distantes da proposta e da história do esporte, nada como uma “nova velha moda” para resgatar a identidade das quadras. Enquanto as marcas de sportswear mais tradicionais e conceituadas atolam o mercado com coleções visualmente poluidas e, muita vezes beirando a bizarrice, renomados estilistas resgatam a essência da moda no tênis.

Dessa vez, o refresco para os olhos – e para as quadras – vem de uma marca feminina que procura sempre se reinventar e se lançar em grandes desafios. Com mais de 170 lojas pelo mundo, a americana Tory Burch acaba de abrir a primeira loja específica para sua linha esportiva. O sucesso da pop up store (loja temporária) aberta em setembro de 2015 no bairro Nolita, em Nova York, foi tão grande que se transformou em loja fixa na 5 Ave.

Na Tory Sport, as sessões são divididas por esporte: corrida, ginástica/academia, natação, golfe, linha “coming and going” com peças para andar nas ruas após a prática do esporte e, claro, tênis! São roupas, bolsas e acessórios cheios de estilo e com preços razoáveis a partir de US$ 35 dólares. Se estiver em Nova York, vale a pena dar uma passadinha para conhecer a loja, que tem uma decoração linda, inspirada no universo dos esportes. A coleção também está disponível para venda na loja online.

Leia mais ...

A gangorra traiçoeira de Melo/Soares

MeloSoaresBruno Soares e Marcelo Melo entre os dez melhores do mundo no ranking de duplas da ATP

Por Matheus Martins Fontes, de São Paulo

No ranking da ATP, o Brasil está muito bem representado no top 10 de duplas. Marcelo Melo é o atual número 1 do mundo após um 2015 espetacular em que conquistou quatro troféus, incluindo o de Roland Garros. Já Bruno Soares, 10º do mundo, começou com tudo essa temporada faturando o Australian Open nas duplas e duplas mistas. Logo quem não acompanha de perto o circuito já coloca a dupla mineira como ampla favorita para o ouro nos Jogos Olímpicos do Rio.

Por isso é normal vermos fãs e até amigos da imprensa que não cobrem tênis diariamente questionarem: “Por que os dois não jogam juntos no circuito?”. Isso já aconteceu. Entre 2010 e 2011, Melo e Soares dividiram o mesmo lado da quadra, mas não obtiveram os resultados esperados e resolveram terminar a parceria.

Desde então, os ex-parceiros só se juntam esporadicamente em torneios onde os companheiros fixos não estão jogando, e, é claro, sempre nos confrontos de Copa Davis. Na competição entre países, Melo e Soares têm retrospecto invejável, com direito a vitória sobre os irmãos Bryan dentro dos Estados Unidos. Tudo isso faz com que os brasileiros entrem em todo torneio com a “obrigação” de ganhar. Qualquer resultado fora disso, seja em Grand Slam, Masters 1000 ou nos ATPs 500 e 250, é encarado como decepção. Ou como ouvi muito em São Paulo, durante o Brasil Open, um “fracasso”.

Leia mais ...

A NOVA CARA DO BRASIL OPEN

brasilopenQuadra central do novo Brasil Open no Clube Pinheiros (Foto: Marcello Zambrana/Divulgação)

Por Ariana Brunello e Matheus Martins Fontes

Da imensidão do Ginásio do Ibirapuera à tradição de um dos clubes mais conceituados do país. A 16a edição do Brasil Open marca uma nova era para o torneio ATP 250 realizado desde 2001.

Pela terceira vez na história, o evento muda de sede e agora será disputado, pelo menos por mais duas temporadas, nas quadras de saibro do Esporte Clube Pinheiros. Ao todo são 24 quadras à disposição dos sócios, o que dá ao clube o título de maior expoente do tênis em todo o País.

Mas, antes de falarmos do Pinheiros, vamos fazer um breve resumo das primeiras experiências do Brasil Open em São Paulo. O Tennis Report também explica por que o torneio resolveu trocar de sede mais uma vez. Confira!

Leia mais ...
Assinar este feed RSS