Menu

Honey Deuce: o coquetel oficial do US Open

honey deuceCheers!

Sol, calor, muitas cores e uma multidão de fãs de tênis invadem Nova York. Nesse clima contagiante acontece o último Grand Slam da temporada, que chega para aquecer ainda mais o verão nas quadras rápidas norte-americanas. Previsões, sorteio das chaves, surpresas e zebras à parte, uma coisa é certa: ninguém resiste a um bom drink para acompanhar as partidas durante o US Open.

Além das clássicas limonadas aromatizadas em diversos sabores, outra bebida faz parte do menu nos bares do complexo Billie Jean King desde 2007 e é sucesso absoluto entre o público. É o Honey Deuce, coquetel criado por Nick Mautone, mestre mixologista da Grey Goose, especialmente para refrescar as altas temperaturas e a grande umidade que toma conta de Flushing Meadows nessa época do ano.

E já virou tradição. Quem está no US Open faz questão de experimentar esse drink tão famoso e, claro, levar o copo de lembrança na mala. Mas, não é preciso ir até Nova York para degustar o coquetel mais badalado dos torneios de tênis. A receita é super simples e dá para fazer em casa numa boa, mesmo que você não seja um barman ou especialista. Afinal, nada melhor do que acompanhar as partidas do último Grand Slam de 2015 com o gostinho oficial do torneio!

Leia mais ...

Sunday Middle Sunday

middle keepMiddle Sunday, o dia de folga em Wimbledon

Tradição. Valores, costumes e bens culturais transmitidos de geração a geração, por serem considerados valiosos em uma sociedade. No tênis, esse ritual continua mais vivo do que nunca, um dos motivos pelos quais esse esporte é tão especial. Cada torneio tem suas peculiaridades e o mais antigo de todos sabe muito bem como sobreviver, firme e forte, com seu próprio ritual, ao longo dos anos.

Quadras de grama, morangos com creme, royal box, silêncio descomunal, ingressos esgotados, ausência de propagandas e entrevistas nas quadras, dias chuvosos, outfits exclusivamente brancos para os jogadores, que saem sempre juntos ao final da partida, uniformes clássicos no estilo vintage para os juizes e um dia de folga.

Desde 1877, as quadras do All England Lawn Tennis and Crocquet Club recebem o torneio de Wimbledon, que começa no final de junho e termina no início de julho. São catorze dias de muita emoção, surpresas e casa cheia. Menos no domingo entre a primeira e a segunda semanas do campeonato. É o “Middle Sunday”, um dia de descanso no cronograma do Grand Slam inglês.

Leia mais ...

Nos passos de Wimbledon

  • Publicado em Moda

shoes FredPerry-80Year-1-500-2

Quem ama tênis, também ama a moda. Impossível separar o esporte clássico da tradição na hora de se vestir, seja para disputar uma partida ou simplesmente adotar o estilo das quadras no dia-a-dia. Quando a marca em questão faz parte do legado de um dos maiores jogadores da história, melhor ainda.

Aproveitando o clima clássico de Wimbledon, o mais charmoso torneio de tênis do mundo, e em comemoração aos 80 anos da primeira vitória do tenista britânico em casa, no ano de 1934, a Fred Perry voltou no tempo. Dessa vez a peça relançada não foi a famosa camisa pólo, mas o icônico tênis que já foi o calçado oficial do Grand Slam mais charmoso do calendário.

Para isso, a grife cujo símbolo são as famosas folhas de louro, convidou cinco marcas inglesas descoladas para repensar as cores e recriar a coleção dos tênis “Wimbledon”. Bodega, Oi Polloi, Foot Patrol, Firmament e Rig Out, bem famosas na moda inglesa, coloriram o solado e o corpo dos calçados de diferentes maneiras, dando um toque fashionista à peça vintage.

Leia mais ...

Roland Garros: um novo Grand Slam

DSCN6178Vista aérea do novo Estádio de Roland Garros (Foto: FFT)

Um cenário deslumbrante, muita gente bonita, boa comida e partidas inesquecíveis em um ambiente muito charmoso e acolhedor. Um evento que beira a perfeição, se não fossem a grande quantidade de pessoas que lotam os estreitos corredores do clube desde o primeiro dia e o mau tempo que insiste em dar o ar da graça, todos os anos, no mês de maio.

Mas, se não é possível mudar a primavera na capital francesa nem impedir o sucesso de público a cada edição, a solução é quebrar a tradição e investir em melhorias para garantir mais qualidade a um dos torneios mais famosos na história do esporte. Depois de analisar todas as opções, entre elas a mudança para outra localidade, a Federação Francesa de Tênis decidiu manter o segundo Grand Slam do ano em Paris.

O próximo passo foi criar um grande projeto de modernização do Estádio de Roland Garros, essencial para garantir o futuro do torneio. Assim, um dos maiores eventos esportivos do mundo vai se tornar mais atraente aos jogadores, fãs, parceiros e também à imprensa. Os mesmos protagonistas estarão em um palco diferente a partir de 2018, mas ainda fiel ao espírito e à história do tradicional Grand Slam francês.

Leia mais ...

Um papo com Carlos Bernardes em Roland Garros

DSCN6310Carlos Bernardes durante partida de duplas na quadra 14 em Roland Garros (Foto: Ariana Brunello)

Ele não tem a raquete como instrumento de trabalho, mas é o principal representante do Brasil no atual circuito mundial de tênis. Em quadra usa apenas uma caneta, com a qual controla as marcações no painel eletrônico, e os olhos, atentos a todos os lances da partida.

No extenso currículo, mais de setenta países, setecentos torneios e sete mil jogos, incluindo cinco finais de Grand Slam: US Open em 2006, quando se tornou o primeiro árbitro da ATP não nascido no país de origem do torneio a dirigir uma decisão, US Open em 2008, Wimbledon em 2011 e as finais de duplas no US Open em 2010 e no Australian Open em 2012.

A tranquilidade e a simpatia de Carlos Bernardes vão além das quadras. É assim que ele atende os fãs que o abordam para tirar uma foto, enquanto caminha pelo complexo de Roland Garros. E foi assim, com a mesma educação, que ele abriu o jogo e falou sobre a vida e a carreira ao Tennis Report, após uma partida de duplas no Grand Slam francês. Um brasileiro para se espelhar e se orgulhar. Confira!

Leia mais ...

Uma estreia dramática

belluccirgThomaz Bellucci estreia com vitória em Roland Garros (Foto: EFE)

Uma estreia dramática, mas com final feliz. Assim foi a primeira partida disputada por Thomaz Bellucci na chave principal desta edição de Roland Garros. O brasileiro abriu o jogo facilmente em 2 sets a 0, deixou o alemão Benjamin Becker empatar, pra desespero da torcida que compareceu em peso à Quadra 5 do complexo em Paris, e fechou a partida em 3 sets a 2.

Número 1 do país e 108º no ranking da ATP, Bellucci avança à segunda rodada do torneio e terá um difícil duelo pela frente. Seu adversário será o italiano Fabio Fognini, 14º cabeça de chave e uma das revelações da temporada.

O Tennis Report bateu um papo com o tenista brasileiro logo após a vitória. Thomaz Bellucci falou sobre os pontos altos e baixos da partida, os problemas físicos que têm atrapalhado seu desempenho este ano, a sensação de jogar em Roland Garros e a importância do apoio da torcida aqui em Paris. Confira!

Leia mais ...

Inesperadamente Roland Garros

RG classementCampeões de Roland Garros nos últimos dez anos (Foto: AFP)

O segundo Grand Slam do ano começou e, como não poderia ser diferente, já traz muita expectativa, previsões de duelos inesquecíveis, promessa de casa cheia e, claro, muita chuva pra dar aquele suspense a mais nas próximas semanas. Tudo perfeitamente dentro do esperado se não fosse apenas um detalhe.

Diferentemente dos anos anteriores, Roland Garros não tem um único favorito ao título e esta edição já é considerada a mais aberta dos últimos dez anos. Basta analisarmos a temporada 2014 desde o início. Independentemente da superfície e do ranking, Rafael Nadal, Novak Djokovic, Roger Federer e Andy Murray ainda mantêm a superioridade, mas já não são imbatíveis como antes, seja qual for o torneio. Além disso, novos talentos como Kei Nishikori, Grigor Dimitrov, Milos Raonic e velhos conhecidos como Stanislas Wawrinka têm ameaçado brilhantemente o reinado dos “Big Four”.

A mesma imprevisibilidade vemos na chave de duplas. A invencibilidade de Bob e Mike Bryan não é mais absoluta já há algum tempo, apesar dos gêmeos norteamericanos ainda serem uma das melhores duplas da história. Hoje o caminho está livre para outros grandes nomes do circuito, como Daniel Nestor e Nenad Zjmonic, Lukas Kubolt e Robert Lidsted, Bruno Soares e Alexander Peya, Marcelo Melo e Ivan Dodig, a dupla-revelação de 2014 Juan Cabal e Robert Farah, entre outros.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS