Menu

Força, Petra!

 petra billboardPainel de homenagens a Petra Kvitova no Indian Wells Tennis Garden

Por Aline Brunello

O primeiro Masters 1000 da temporada ganhou um cantinho pra lá de especial, nesta edição de 2017: um grande painel de homenagens à tcheca Petra Kvitova, após sua ausência no circuito profissional da WTA há três meses. Instalado em uma das alamedas do charmoso Indian Wells Tennis Garden, complexo que sedia o torneio na Califórnia, o banner está à disposição dos fãs e visitantes, que já começam a deixar mensagens carinhosas e recados especiais em apoio à tenista bicampeã de Wimbledon.

Petra foi esfaqueada em dezembro passado, quando tomava café da manhã em seu apartamento, após reagir a uma tentativa de assalto e sofreu lesões nos cinco dedos e em dois nervos da mão esquerda. invasor era procurado pelo polícia, fingiu ser um técnico da empresa de energia e disse que precisava conferir o leitor de eletricidade. O ladrão fugiu levando cerca de R$ 654.O susto foi grande e Kvitova deve ficar até seis meses afastada do circuito.

Se estiver em Indian Wells, aproveite para dar aquela forcinha a uma das mais talentosas tenistas da atualidade. Passe lá e deixe sua mensagem também! Veja abaixo alguns recadinhos que os fãs estão deixando para ela por lá. Get well soon, Petra! 

Leia mais ...

Arte na bolinha

bolinha2Bolinhas customizadas por artistas são sucesso no Brasil Open

Lojas, comidinhas, bebidas, sessões de fotos e autógrafos, entretenimento e muita diversão. No boulevard do Brasil Open tem opções que agradam a todos os gostos. Mas uma atração, em especial, tem chamado a atenção do público que passeia pelas charmosas alamedas do Clube Pinheiros: a customização de bolinhas de tênis. Crianças, adolescentes, adultos, praticantes do esporte ou não. Todo mundo quer registrar sua marca pessoal e levar a amarelinha - que nem sempre continua assim depois do resultado final - pra casa.

A fila é grande. “Mais de mil e duzentas pessoas já garantiram sua bola customizada, uma média de 250 por dia e, até a final no domingo, muitas outras ainda devem passar por aqui. O cliente vem com uma idéia na cabeça e nossos artistas colocam essa idéia em prática nas bolinhas”, diz Renato Vegas, coordenador do stand. Entre pincéis, tintas, canetas e sprays estão os artistas responsáveis pelas obras de arte que atraem todos os olhares e já viraram objeto de desejo de todo fã de tênis.

Otavio Costa Braga e Felipe Carvalho foram escolhidos após uma seleção entre grafiteiros e desenhistas consagrados, para realizarem o trabalho durante o Brasil Open. Otavio trabalha há 23 anos como desenhista, começou com grafite e hoje tem um estúdio de tatuagem. “Nunca tive essa experiência com bolinhas de tênis antes, é trabalhoso porque elas são bem peludas e dificultam um pouco o processo, mas estamos conseguindo fazer o trabalho”.

Leia mais ...

O Grande Gui

Brasil Open - VilasExposição sobre a carreira de Guillermo Vilas no Brasil Open 2017 (Imagem: Divulgação)

De uma partida exibição disputada no Obras Sanitarias Club, em 1974, na bela Buenos Aires, para as quadras de tênis mundo afora. Ali surgia uma das jogadas mais incríveis, curiosas, fascinantes e desafiadoras da história do esporte: quando o tenista corre para o fundo da quadra e, de costas para o adversário, rebate a bola entre as pernas.

Um ano depois, em uma partida oficial em Indianápolis, nos Estados Unidos, entre Guillermo Vilas e Manuel Orantes, o “Gran Willy” entrava de vez para a história do esporte.  A inspiração de Vilas veio de uma propaganda em que um jogador de polo - outro esporte com muita tradição entre os argentinos – acertava a bola para trás, entre as patas traseiras do seu cavalo.

Em homenagem ao maior tenista argentino de todos os tempos, o Brasil Open 2017 apresenta a exposição “O Aventureiro”, que retrata os momentos mais marcantes da carreira de Vilas, considerado um dos melhores da história e inventor do Gran Willy. As obras criadas pelo artista argentino Carlos Crispo estão à mostra para o público no Hospitality Center, ao lado da Quadra Central do Esporte Clube Pinheiros. Se estiver em São Paulo, corre pra lá. Vale a pena conferir!

Leia mais ...

Tênis paralímpico: emoção, inspiração e superação

ParalympicsGB Rio 2016 wheelchair tennis teamTenistas da equipe inglesa paralímpica RIO 2016 (Foto: Federação Inglesa do Desporto para Deficientes/EFDS)

Um dia de muita inspiração, emoção e inclusão social por meio do esporte. Foi assim que o grupo de atletas amadores da ONG Empresto Minhas Pernas by Fast Wheels acompanhou os treinos dos tenistas da equipe inglesa paralímpica, antes dos Jogos Rio 2016. Os integrantes do projeto sediado em Santos, litoral paulista, tiveram a oportunidade de conhecer alguns dos melhores atletas do mundo na modalidade paralímpica, que os receberam na Academia Play Tennis, em São Paulo.

Além da tradição no tênis, a Inglaterra veio com um time de peso para os Jogos RIO 2016. Entre os grandes nomes da equipe estão: Jordanne Whiley (ranking 4) e Lucy Shuker (ranking 7), Louise Hunt (ranking 13), Alfie Hewett  (ranking 14), Dave Phillipson (ranking 24), Marc McCarroll (ranking 20), Gordon Reid (ranking 5), Andy Lapthorne (ranking 4), Jamie Burdekin (ranking 7) e Antony Cotterill (ranking 9).

Doz dez jogadores, oito integraram o time que disputou a última edição dos Jogos Paralímpicos. Entre eles, três subiram ao pódio em Londres 2012: Jordanne Whiley (prata), Lucy Shuker (bronze) e Andy Lapthorne (prata). E três foram campeões de Grand Slam recentemente: Jordanne Whiley (duplas Roland Garros e Wimbledon 2016), Gordon Reid (duplas Australian Open, Roland Garros e Wimbledon 2016) e Andy Lapthorne (simples Australian Open 2014 e duplas Roland Garros 2016).

Leia mais ...

Bola Dentro: a partida para uma vida melhor

BD 2Flávio Saretta, novo embaixador do Bola Dentro

As quadras do Parque Villa-Lobos celebraram uma data importante na história da inclusão social, por meio do tênis, no Brasil: os 11 anos do Projeto Bola Dentro que, desde 2005, se dedica à formação sócio-educativa de crianças e adolescentes de baixa renda, residentes em áreas de vulnerabilidade da cidade de São Paulo.

Crianças, jovens, profissionais do tênis e incentivadores do esporte se reuniram para acompanhar a apresentação dos novos uniformes e o desafio de duplas disputado entre alunos e representantes das novas empresas patrocinadoras: Itaú, Rede e Raízen. Após a cerimônia de premiação, Flávio Saretta foi anunciado como embaixador e porta-voz das atividades sociais do Bola Dentro e o público relembrou os grandes momentos vividos pelo tricampeão do Aberto de São Paulo. O evento terminou com um brunch e um bolo de aniversário para os convidados.

“É uma sensação incrível. Nessas horas percebo que todo o esforço valeu a pena. Um projeto sério, onde muitas crianças e jovens são transformados em cidadãos, em pessoas melhores e o mais gratificante: através do esporte que mais amo. Estou muito honrado e emocionado com o convite. Levarei para onde eu for o nome do Bola Dentro”, diz Saretta.

Leia mais ...

A gangorra traiçoeira de Melo/Soares

MeloSoaresBruno Soares e Marcelo Melo entre os dez melhores do mundo no ranking de duplas da ATP

Por Matheus Martins Fontes, de São Paulo

No ranking da ATP, o Brasil está muito bem representado no top 10 de duplas. Marcelo Melo é o atual número 1 do mundo após um 2015 espetacular em que conquistou quatro troféus, incluindo o de Roland Garros. Já Bruno Soares, 10º do mundo, começou com tudo essa temporada faturando o Australian Open nas duplas e duplas mistas. Logo quem não acompanha de perto o circuito já coloca a dupla mineira como ampla favorita para o ouro nos Jogos Olímpicos do Rio.

Por isso é normal vermos fãs e até amigos da imprensa que não cobrem tênis diariamente questionarem: “Por que os dois não jogam juntos no circuito?”. Isso já aconteceu. Entre 2010 e 2011, Melo e Soares dividiram o mesmo lado da quadra, mas não obtiveram os resultados esperados e resolveram terminar a parceria.

Desde então, os ex-parceiros só se juntam esporadicamente em torneios onde os companheiros fixos não estão jogando, e, é claro, sempre nos confrontos de Copa Davis. Na competição entre países, Melo e Soares têm retrospecto invejável, com direito a vitória sobre os irmãos Bryan dentro dos Estados Unidos. Tudo isso faz com que os brasileiros entrem em todo torneio com a “obrigação” de ganhar. Qualquer resultado fora disso, seja em Grand Slam, Masters 1000 ou nos ATPs 500 e 250, é encarado como decepção. Ou como ouvi muito em São Paulo, durante o Brasil Open, um “fracasso”.

Leia mais ...

A NOVA CARA DO BRASIL OPEN

brasilopenQuadra central do novo Brasil Open no Clube Pinheiros (Foto: Marcello Zambrana/Divulgação)

Por Ariana Brunello e Matheus Martins Fontes

Da imensidão do Ginásio do Ibirapuera à tradição de um dos clubes mais conceituados do país. A 16a edição do Brasil Open marca uma nova era para o torneio ATP 250 realizado desde 2001.

Pela terceira vez na história, o evento muda de sede e agora será disputado, pelo menos por mais duas temporadas, nas quadras de saibro do Esporte Clube Pinheiros. Ao todo são 24 quadras à disposição dos sócios, o que dá ao clube o título de maior expoente do tênis em todo o País.

Mas, antes de falarmos do Pinheiros, vamos fazer um breve resumo das primeiras experiências do Brasil Open em São Paulo. O Tennis Report também explica por que o torneio resolveu trocar de sede mais uma vez. Confira!

Leia mais ...

Tênis e arte: a exposição de Ana Soler no Brasil

 DSCN6539

Mais de cinco mil bolinhas de tênis suspensas que parecem saltar fora das paredes e do chão. A obra aparentemente reproduz os efeitos e a trajetória conectada e linear da bola ao tocar a raquete dentro da quadra. Mas, fora dela, representa uma metáfora às causas e aos efeitos de nossos pensamentos.

Um emaranhado de formas minuciosamente construído que invade o espaço e nos faz refletir sobre o desfecho de cada decisão que tomamos e para onde elas nos levam. Ou seja, refletem o caminho que seguimos em nossas vidas. É a instalação
 Causa e Efeito (Causa-Efecto), criada em 2011 por Ana Soler e que, após ganhar repercussão mundial, chega ao Brasil pela primeira vez.

A artista plástica nasceu em 1972 e se formou em Belas Artes na Universidade de Sevilha, sua cidade natal, em 1994. Com mais de 30 prêmios no currículo, a espanhola costuma utilizar objetos do cotidiano em suas obras e tem fascínio pelo novo e desconhecido, os quais inspiram seu trabalho de tornar sensível o insensível, como ela mesma diz.

Leia mais ...

Inesperadamente Roland Garros

RG classementCampeões de Roland Garros nos últimos dez anos (Foto: AFP)

O segundo Grand Slam do ano começou e, como não poderia ser diferente, já traz muita expectativa, previsões de duelos inesquecíveis, promessa de casa cheia e, claro, muita chuva pra dar aquele suspense a mais nas próximas semanas. Tudo perfeitamente dentro do esperado se não fosse apenas um detalhe.

Diferentemente dos anos anteriores, Roland Garros não tem um único favorito ao título e esta edição já é considerada a mais aberta dos últimos dez anos. Basta analisarmos a temporada 2014 desde o início. Independentemente da superfície e do ranking, Rafael Nadal, Novak Djokovic, Roger Federer e Andy Murray ainda mantêm a superioridade, mas já não são imbatíveis como antes, seja qual for o torneio. Além disso, novos talentos como Kei Nishikori, Grigor Dimitrov, Milos Raonic e velhos conhecidos como Stanislas Wawrinka têm ameaçado brilhantemente o reinado dos “Big Four”.

A mesma imprevisibilidade vemos na chave de duplas. A invencibilidade de Bob e Mike Bryan não é mais absoluta já há algum tempo, apesar dos gêmeos norteamericanos ainda serem uma das melhores duplas da história. Hoje o caminho está livre para outros grandes nomes do circuito, como Daniel Nestor e Nenad Zjmonic, Lukas Kubolt e Robert Lidsted, Bruno Soares e Alexander Peya, Marcelo Melo e Ivan Dodig, a dupla-revelação de 2014 Juan Cabal e Robert Farah, entre outros.

Leia mais ...

O cantinho das raquetes

DSCN5623Raquetes na sala de encordoamento do Brasil Open 

A raquete é o instrumento de trabalho de qualquer tenista. Mas antes de chegarem prontas e perfeitas nas quadras, elas passam pelas mãos de uma equipe de especialistas, que trabalham duro numa salinha muitas vezes escondida nos bastidores dos torneios.

Eles são os responsáveis por deixar as raquetes exatamente do jeitinho que cada jogador precisa. As preferências, as exigências e as necessidades são diferentes, seja com o tipo de corda, a tensão utilizada ou a quantidade de pintura. Quanto maior o torneio, maior o número de raquetes que passam por essa constante manutenção.

Um desses especialistas e anjos da guarda dos tenistas é o Ricardo Dipold, responsável pelas salas de encordoamento do Rio Open, do Brasil Open e da Brasil Tennis Cup em Florianópolis. O Tennis Report invadiu o cantinho dos equipamentos dos jogadores para mostrar, com exclusividade, os bastidores da sala de encordoamento do Brasil Open. A equipe formada por Ricardo, Raoni e Kiko conta tudo pra você. Confira!

Leia mais ...
Assinar este feed RSS