Menu

Arte na bolinha

bolinha2Bolinhas customizadas por artistas são sucesso no Brasil Open

Lojas, comidinhas, bebidas, sessões de fotos e autógrafos, entretenimento e muita diversão. No boulevard do Brasil Open tem opções que agradam a todos os gostos. Mas uma atração, em especial, tem chamado a atenção do público que passeia pelas charmosas alamedas do Clube Pinheiros: a customização de bolinhas de tênis. Crianças, adolescentes, adultos, praticantes do esporte ou não. Todo mundo quer registrar sua marca pessoal e levar a amarelinha - que nem sempre continua assim depois do resultado final - pra casa.

A fila é grande. “Mais de mil e duzentas pessoas já garantiram sua bola customizada, uma média de 250 por dia e, até a final no domingo, muitas outras ainda devem passar por aqui. O cliente vem com uma idéia na cabeça e nossos artistas colocam essa idéia em prática nas bolinhas”, diz Renato Vegas, coordenador do stand. Entre pincéis, tintas, canetas e sprays estão os artistas responsáveis pelas obras de arte que atraem todos os olhares e já viraram objeto de desejo de todo fã de tênis.

Otavio Costa Braga e Felipe Carvalho foram escolhidos após uma seleção entre grafiteiros e desenhistas consagrados, para realizarem o trabalho durante o Brasil Open. Otavio trabalha há 23 anos como desenhista, começou com grafite e hoje tem um estúdio de tatuagem. “Nunca tive essa experiência com bolinhas de tênis antes, é trabalhoso porque elas são bem peludas e dificultam um pouco o processo, mas estamos conseguindo fazer o trabalho”.

Brasil Open - arte bolinhas 2Felipe e Otavio em ação no stand da Peugeot no Brasil Open

Brasil Open - Arte bolinhasArte das ruas para as bolinhas

Nesse primeiro contato com o esporte, o artista se impressionou com a paixão que os torcedores sentem pelo tênis e pelo grande apoio que dão aos jogadores. “A molecada é fanática. Nosso esporte é o skate, algo bem diferente, mas como todo esporte percebo que o tênis ajuda e reune muita gente, transforma as pessoas e isso é muito bom, sem falar que jogar é uma arte, então tem tudo a ver com nosso trabalho!”

Esta também é a primeira experiência de Felipe com o tênis, que há dez anos trabalha com grafite e serigrafia. “O público é muito fiel, acompanha os jogos, vai aos torneios, torce pelos jogadores, curte o esporte mesmo. E tem muita criança! Gostaria que fosse uma modalidade mais divulgada e apoiada no Brasil. Acho que assim teríamos mais atletas de alto nível representando nosso país”.

Brasil open - arte bolinhas 5Felipe atendendo seu público preferido: as crianças

Brasil Open - arte bolinhas 4Nome personalizado na bolinha

Brasil open - arte bolinhas 6"Super E" também passou por aqui

Assim como os jogadores na quadra, Felipe sabe que é preciso muita paciência para trabalhar com a bolinha pois não é uma tarefa fácil. “A arte e o tênis têm muito em comum pois os dois exigem concentração, foco, dedicação, treino, estudo, disciplina. Eles estão interligados. A arte é um esporte e o esporte é uma arte”. E não poderia ser diferente. Entre os pedidos mais comuns na customização das bolinhas estão símbolos, nomes e desenhos ligados ao esporte, especialmente sobre Roger Federer e Guga.

Claro que o Tennis Report não poderia ficar de fora dessa! O resultado foi esse:

bola

bolinha3

bolinha4

Incrível, né?

Quer customizar e deixar a bolinha de tênis com a sua cara também? Então corre pro stand da Peugeot, no Brasil Open 2017, que ainda dá tempo! E não esqueça de tirar uma foto e marcar nas redes sociais com a hashtag #peugeotnobropen

Stand: Peugeot
Bolas: Wilson
Fotos: Divulgação/Brasil Open
Mais informações: www.brasilopen.com.br

Mais nesta categoria: « O Grande Gui Força, Petra! »
voltar ao topo